Página inicial português Inscreve-te ou regista-te na HDYO Crianças Adolescentes Jovens Adultos Pais DHJ Amigos Profissionais Notícias Sobre Nós Vídeos Livros Investigação na DH Angariação de Fundos Eventos Faz uma Pergunta Expressão Criativa Apoio Local Serviço de Juventude da HDYO Ligações Contact Us Termos Privacidade Idioma Mapa do Site Donativos Loja

O filho mais velho terá a DH?

February 8, 2014

Huntington's Disease Youth Organization

A HDYO tem mais informação sobre DH disponível para jovens, pais e profissionais no nosso site:

www.hdyo.org

O filho mais velho terá a DH?

P. Olá, quero perguntar algumas coisas sobre a DH. A minha avó teve DH e teve 3 filhas. Agora, a minha mãe tem DH, e ela é a mais velha das 3 irmãs. Isto tem a ver com o facto de ser a mais velha?

Eu tenho um irmão mais velho e queria saber qual a percentagem de risco em que estamos para ter DH?

Gostaria de saber se há alguma forma médica de evitar que os meus filhos herdem o gene, quando eu própria decidir constituir família.

OBRIGADA

Lola, Jovem adulta, Espanha

Ask a question

R. Cara Lola,

Obrigado pelo teu email. Não existe qualquer ligação entre a tua posição na família (filha/o mais velha/o, do meio ou mais nova/o) e o teu risco de DH.

Se a tua mãe tem um claro diagnóstico de DH, então cada filho/a tem 50% de risco de ter o gene.

As pessoas que são portadoras do gene podem fazer escolhas nas suas próprias famílias, por forma a prevenir que o gene seja transmitido. Podem ser utilizadas técnicas semelhantes à “fertilização in vitro” para que apenas os embriões que não tenham o gene sejam implantados. Isto chama-se um diagnóstico genético pré-implantação (DGPI). O feto pode também ser testado no início da gravidez e interromper-se essa gravidez se o feto tiver o gene. No entanto, nem todas estas técnicas são aceitáveis para toda a gente, por motivos religiosos ou éticos. O DGPI nem sempre resulta (penso que funciona uma em cada três vezes).

Espero ter respondido às tuas questões e peço desculpa pelos termos médicos.

Felicidades,

Hugh Rickards